Barragens em Nova Lima têm 5 vezes mais chance de rompimento do que em Brumadinho


Foto: Estadão Conteúdo


Um documento do Ministério Público de Minas Gerais coloca Nova Lima em estado de atenção. O documento é uma ação civil pública acatada pela Justiça que mostra a possibilidade de rompimento de barragens.

Nova Lima tem três barragens que estão em área de alerta por parte da mineradora Vale. Além destas três, outras cinco espalhadas por Minas Gerais estão, também, em estado de alerta pela possibilidade de ocorrer vazamento de rejeito. O documento do MP, inclusive, classifica estas barragens como “severo risco de rompimento”.

Entre estas, os reservatórios 1 e 4-A da Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, que rompeu no dia 25 de janeiro, também constam na lista. A tragédia deixou até o momento 160 mortos e 155 desaparecidos. Dois nova-limenses já foram encontrados no local, sendo que três ainda estão desaparecidos. (Leia e Leia)

Projeções apontam que a chance de rompimento das barragens da Mina do Feijão (Brumadinho) era de 0,02%. As barragens do Capitão do Mato, Dique B e a barragem do distrito nova-limense de São Sebastião das Águas Claras (Macacos) é de 0,1%, cinco vezes mais chances, portanto.

Para o MP, “o fato mais assustador foi a informação de que as barragens da Mina Córrego do Feijão possuíam laudos que atestavam sua estabilidade e segurança, conforme se nota de informação extraída diretamente da página da Fundação Estadual de Meio Ambiente (Feam)”.

A barragem de Capitão do Mato possui 2 milhões de metros cúbicos de rejeitos e Dique B 333 mil metros cúbicos, valores infinitamente menores do que as barragens de Mariana e Brumadinho. Contudo, se romperem, poderiam alcançar 87 quilômetros, atingindo Nova Lima, Rio Acima, Raposos, Sabará, Belo Horizonte e Santa Luzia.

A barragem de Taquaras, em Macacos, tem 950 mil metros cúbicos de rejeitos e percorreria 27 quilômetros, atingindo em cheio o distrito e as demais partes de Nova Lima.

Estas barragens estão dentro de uma Zona de Atenção (Alarp Zone), estabelecida pela mineradora. As barragens da Anglo Gold Ashanti e demais mineradoras não foram citadas já que a ação civil pública trata apenas da Vale. Contudo, em Rio Acima, a Mundo Mineração abandonou a sua barragem que corre riscos iminentes de rompimento.

Outras barragens, como as de Forquilha, em Ouro Preto, com 26 milhões de metros cúbicos atingiria Nova Lima, Raposos e Rio Acima, também.

Atenção: o fato de atingir a cidade, não quer dizer que o rejeito poderá atingir centros populacionais, como bairros com alto número de pessoas e que estão a uma certa distância da barragem. Contudo, rios e matas podem ser devastadas e já que estão em território nova-limense, atingem em cheio a cidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: O conteúdo está bloqueado. Entre em contato para solicitar o texto.