‘Precisamos enxergar a Nova Lima oculta’, diz Silvanio em entrevista ao Sempre

O já experiente político, ex-secretário de Desenvolvimento Econômico e também ex-servidor público, Silvanio Aguiar, sempre foi um político em ascensão em Nova Lima. Venceu dois mandatos seguidos e agora vai para o terceiro depois que Tiago Tito (PSD) perdeu seu mandato em votação na Câmara na última terça-feira, dia 14.

Aguiar perdeu a última eleição para vereador e causou espanto nos bastidores políticos da cidade. A autocrítica foi feita, garante o próximo parlamentar em Nova Lima, que deseja neste novo mandato, valorizar o servidor público.

Não apenas, Silvanio vislumbra que o episódio que afastou Tito da vida pública, mudará a forma de administrar um mandato de vereador no município e que é preciso olhar para a “cidade oculta” e que a Câmara deve tomar o protagonismo de discutir a melhora de vida dos nova-limenses. A entrevista foi tocada pelo jornalista Renato Felipe.

Leia a entrevista:

1) Como é assumir um mandato após um episódio triste da vida política nova-limense?

Pois é Renato, é uma situação desagradável e extremamente preocupante. Penso que esse episódio pode mudar de vez a forma de administrar o mandato de um vereador. Acredito que isso sirva de exemplo e representa a necessidade de observância da moralidade e boas práticas na atuação política.

2) Como você entra no mandato? É sabido que você tem certa proximidade ao governo João Marcelo. Silvanio será situação na Câmara?

A população conhece a minha atuação, independente e transparente. O João em minha opinião, pegou uma cidade com os cofres cheios e preparada do ponto de vista organizacional, mas enfrenta um grande desafio: como dar respostas à sociedade de uma situação extremamente antagônica; de um lado a cidade que se destaca na fama da riqueza e do bem-estar, de outro, pessoas em extrema pobreza.

Digo que serei “situação” no que for para o bem da cidade e por outro lado, pretendo contribuir com meu trabalho e conhecimento no que eu perceber que for diferente disso. Esperem de mim um político conciliador mas sem abrir mão das críticas se necessário.

3) O que o Silvanio concebe de Nova Lima atualmente, qual setor da sociedade o seu novo mandato mais vai atuar?

Sou nova-limense de alma e coração, vivo na Nova Lima que infelizmente não aparece nas estatísticas dos jornais e tvs. Parece clichê, mas precisamos enxergar essa cidade oculta. Habitação de interesse social, saneamento básico, mobilidade e transporte urbano são eixos importantes para o desenvolvimento e crescimento de nossa cidade.

Existe ainda uma classe que nos últimos anos teve que compulsoriamente ajudar nas finanças do município e que agora precisa de atenção, que é o servidor público. Não falo apenas de salário, é preciso pensar na qualidade de vida e trabalho desse povo. Acredito que Deus esteja me dando a chance de eu rever certas ações e atitudes.

4) São três mandatos de vereador a partir do momento da sua convocação para assumir o cargo e uma derrota quase inesperada em 2020. O que o seu mandato errou?

Fazer uma auto crítica, acredito que seja a melhor forma de crescimento e aprendizado. Nesse sentido, consegui junto com minha equipe identificar vários pontos falhos em meu mandato. Prefiro com o meu trabalho ir mostrando aos poucos, que posso ser melhor ao reconhecer meus erros. Um deles já citei aqui, valorizar o servidor público será meta para mim.

5) Qual sua avaliação do cenário político nova-limense?

Acredito que diluído em meus relatos anteriores, já se percebe um pouco do que penso do cenário político nova-limense. Uma cidade rica, mal distribuída e cheia de desafios. Penso que a Câmara Municipal como a guardiã e vigia da legislação, ao usar o seu poder de legislar e fiscalizar com responsabilidade, poderá contribuir muito com a solução dos problemas e agrurias sociais.

6) Há boatos que correm a cidade que você não poderia assumir o mandato. Faz sentido?

A política Renato, está tão suja que qualquer coisa que se fale de ruim de um político vira verdade de imediato. Esse boato é um ato irresponsável dos que só querem os fatos e holofotes das redes sociais. A Polícia Cívil e o Ministério Público, exerceram com legitimidade o seu papel de investigar e buscar a luz da verdade.

Como fui vereador na última legislatura, lógico e evidente que fui investigado. Até agora essa investigação ainda está em andamento e se quer citado eu fui ainda. De cabeça erguida e consciência tranquila, só tenho a dizer que isso faz parte do mundo político.

7) Tito chegou a levantar seu nome em depoimentos do processo de cassação que está parado por decisão judicial. Apesar de amigos, colegas de partidos, vocês criaram alguma situação de inimizade?

Em minha opinião o Tito é um sujeito do Bem. Incorreu em supostos erros e quem sou eu para julgá-lo. Acredito na justiça, jamais me movimentei na direção de qualquer ação que o pudesse prejudicar. Acredito que ao me citar, ele estava abalado emocionalmente (coisa que entendo perfeitamente) o tempo é o senhor de todas as coisas. Seguramente ele (o tempo) se encarregará de mostrar tudo o que for preciso ser mostrado.

Casado com Keila Cristina servidora de carreira do Serviço Social, pai da Ana Clara e Bárbara Cristina. 52 anos, formado e pós graduado em Gestão Pública, já foi motorista concursado, comerciante na área de telefonia celular e logística e distribuição do Jornal Estado de Minas. Foi Secretário de Desenvolvimento Econônico no Governo Carlinhos Rodrigues, vereador por dois mandatos e atualmente Chefe de Divisão na Secretária de Transportes na Secretaria de Saúde de Nova Lima na Gestão João Marcelo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: O conteúdo está bloqueado. Entre em contato para solicitar o texto.