InfoGripe: estados têm queda para síndrome respiratória aguda grave

Todas as regiões do país ainda se encontram na zona de risco

Médicos observam exame de paciente em hospital de campanha em Guarulhos (SP) 12/05/2020 REUTERS/Amanda Perobelli

De: Agência Brasil

O Boletim InfoGripe, divulgado hoje (30) pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) aponta que todos os 27 estados da federação  apresentam tendência de queda para a síndrome respiratória aguda grave (SRAG). Apesar deste quadro, todas as regiões do país encontram-se na zona de risco e com ocorrências de casos muito altas.

A análise, que tem como base os registros do Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe), é referente ao período de 18 a 24 de abril. Cerca de 90% dos casos positivos de SRAG foram associados à covid-19.

O pesquisador Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe, informa que no momento em que o país ultrapassa 400 mil mortes pela covid-19, esses sinais reforçam a importância da cautela em relação às medidas de flexibilização, enquanto a tendência de queda da covid-19 não for mantida por tempo suficiente para que o número de novos casos atinja valores significativamente baixos.

Gomes alerta que a retomada das atividades de maneira precoce pode levar a um quadro de interrupção da queda ainda em valores muito distantes de um cenário de segurança. “Tal situação, caso ocorra, não apenas manterá o número de hospitalizações e óbitos em patamares altos como também manterá a taxa de ocupação hospitalar em níveis preocupantes, impactando todos os atendimentos, não apenas aqueles relacionados às síndromes respiratórias e covid-19”, avaliou.

Estados

Entre os estados que indicam interrupção no processo de queda estão Amazonas, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Norte e Rio Grande do Sul, embora em valores muito elevados. Já  outros estados apresentam indícios de redução no ritmo de queda, como Bahia, Ceará, Paraná, Santa Catarina e Tocantins. Apesar da tendência de queda,  vários estados ainda estão com valores similares ou até mesmo superiores aos picos de síndrome respiratória aguda grave observados ao longo de 2020, como é o caso de Bahia, Distrito Federal, Minas Gerais, Paraíba, Paraná, Rondônia, Santa Catarina, Sergipe, São Paulo e Tocantins. Já  Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, e Rondônia, entraram em processo de estabilização da doença.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

error: O conteúdo está bloqueado. Entre em contato para solicitar o texto.